Este site utiliza cookies para lhe oferecer uma melhor experiência de navegação enquanto utilizador. A desactivação desta funcionalidade poderá impedir este site de funcionar correctamente. Ao continuar a visitar o nosso site, está a aceitar esta utilização de cookies.     [Aceitar e Fechar]

Edição 69. Democracia

John Akomfrah
John Akomfrah

John Akomfrah é um artista e realizador altamente conceituado. A sua obra é caracterizada por incursões em temas como a memória, o pós-colonialismo, a temporalidade e a estética, explorando frequentemente as experiências das diásporas globais. Akomfrah é membro-fundador do influente Black Audio Film Collective, surgido em Londres em 1982, juntamente com os artistas David Lawson e Lina Gopaul, com quem colabora até aos dias de hoje. O primeiro filme do colectivo, Handsworth Songs (1986), explora os acontecimentos em torno dos motins de 1985 em Birmingham e Londres através da combinação de filmes, fotografias e noticiários de arquivo. O filme recebeu diversos prémios internacionais e estabeleceu um estilo visual estratificado que, desde então, é um dos temas recorrentes no trabalho de Akomfrah. Além desta obra, o artista também criou a instalação em três ecrãs The Unfinished Conversation (2012), um emocionante retrato da vida e obra de Stuart Hall; Peripeteia (2012), um drama fictício que recria as vidas de indivíduos representados em dois retratos do século XVI, da autoria de Albrecht Dürer; e Mnemosyne (2010), que expõe a experiência dos migrantes no Reino Unido, questionando a ideia da Grã-Bretanha enquanto terra prometida, ao expor a realidade das dificuldades financeiras e do racismo casual.

Em 2015, Akomfrah estreia a instalação em três ecrãs Vertigo Sea (2015), que explora aquilo a que Ralph Waldo Emerson chama «os mares sublimes». Misturando material de arquivo com leituras de clássicos e filmagens recentes, a peça de Akomfrah foca-se na desordem e crueldade da indústria baleeira, justapondo-as com cenas em que figuram várias gerações de migrantes em épicas travessias do oceano à procura de uma vida melhor. Akomfrah apresentou Purple, a sua maior instalação até à data, em 2017, no Barbican (Londres), e em 2018, no Museu Coleção Berardo (Lisboa) — com financiamento do Barbican; do Bildmuseet Umeå (Suécia); da TBA21—Academy (Londres); do Instituto de Arte Contemporânea de Boston; do Museu Coleção Berardo; e do GARAGE Museum (Moscovo). A instalação de vídeo em seis canais aborda as alterações climáticas, as comunidades humanas e as regiões selvagens. Mais recentemente, Akomfrah apresentou Precarity no Prospect 4 (Nova Orleães). Através das imagens de arquivo e das recentes filmagens, Precarity acompanha a vida esquecida de Buddy Bolden, cantor jazz de Nova Orleães.

© 2019 | all rights reserved. design by 004 F*@#ing Ideias